Informativo 19/01/2015

O jornal se juntou à consultoria Strategy& (Anterior Booz & Company) para desenvolver uma publicação a respeito dos desafios da inovação no Brasil. A partir da avaliação de três pilares – intenção, esforços e resultados – pretende-se descobrir como eles são desenvolvidos nas empresas brasileiras e como isso se reflete na inovação de cada uma delas. Os dados serão utilizados para a criação de um ranking geral de empresas e também um ranking setorial, definido com base nos modos de inovação mais comuns no setor. O trabalho será apresentado em evento de premiação e publicado em formato de revista, que circulará encartada no jornal no 1º semestre de 2015. Conheça mais a respeito das regras e metodologia através do link http://www.strategyand.pwc.com/br/inovacao-brasil e acesse a pesquisa clicando em http://bit.ly/inovacaobrasil. As inscrições vão até 30/01.

Empresas de base tecnológica que buscam apoio para desenvolvimento e colocação no mercado contam com uma nova oportunidade em Santa Catarina: o programa de aceleração corporativa Inove Senior. Idealizado pela Senior, uma das maiores fabricantes de sistemas de gestão do Brasil, o programa irá selecionar até 10 ideias inovadoras relacionadas a conceitos como mobilidade, cloud computing, Big Data e Internet das Coisas para serem desenvolvidas no período de nove meses. O processo seletivo está aberto até o dia 10 de fevereiro de 2015 e as inscrições podem ser feitas no site www.inovesenior.com.br. Os projetos selecionados receberão aporte inicial de R$ 40 mil cada e as empresas deverão ser sediadas em Florianópolis. Após os nove meses de aceleração, as startups que demonstrarem alto potencial de crescimento e valor de mercado estimado em R$ 1 milhão vão receber um aporte adicional de R$ 200 mil da Senior.

A partir deste mês, micro e pequenas empresas (que faturam até R$ 3,6 milhões por ano) podem solicitar adesão ao Supersimples pelo site da Receita Federal. As novas 140 atividades beneficiadas com a revisão da Lei Geral da Micro e Pequena Empresa já podem aderir ao sistema de tributação, que unifica oito impostos em um único boleto e reduz, em média, a carga tributária em 40%. A redução dos impostos já vale a partir do primeiro mês de 2015. A solicitação deve ser feita até o último dia útil de janeiro. O prazo do pedido de adesão não é válido para empresas recém-criadas, que têm até 30 dias depois da liberação do Cadastro Nacional de Pessoa Jurídica (CNPJ) para aderir ao programa. Quem quiser desistir do regime de tributação simplificado pode fazê-lo a qualquer momento. Se o desenquadramento for solicitado ainda em janeiro, a desistência vale para o mesmo ano. Caso contrário, a desvinculação só valerá para o ano seguinte. A expectativa é que mais de 450 mil empresas das novas atividades aceitas no Supersimples optem por esse sistema a partir deste ano. Saiba mais em http://www8.receita.fazenda.gov.br/SimplesNacional/.

Em 17/12/2014, o Senado aprovou, em primeiro e segundo turno, por unanimidade, a Proposta de Emenda à Constituição (PEC) 12/2014, que altera vários dispositivos constitucionais para assegurar que a pesquisa e inovação tecnológicas sejam assunto prioritário de Estado. A intenção é impulsionar a pesquisa nacional e a criação de soluções tecnológicas que melhorem a atuação do setor produtivo. As modificações constitucionais também permitirão a integração entre instituições de pesquisa tecnológica e empresas, aliando os esforços para o desenvolvimento do país. O texto afirma que as atividades de estímulo à pesquisa não devem ser realizadas apenas por universidades, mas também por instituições de educação profissional e tecnológica. A PEC assegura ainda que a transferência ou remanejamento de recursos financeiros de um programa a outro dentre as atividades de ciência, tecnologia e inovação não precisarão mais de autorização prévia do Legislativo. Outro ponto tratado no texto é a previsão constitucional da responsabilidade do Estado na capacitação para a inovação tecnológica. Atualmente, a prioridade é para o desenvolvimento científico e a pesquisa básica. A PEC permite ainda a criação do Sistema Nacional de Ciência, Tecnologia e Inovação, em regime de colaboração entre governos e empresas privadas, com normas a serem definidas por lei federal, cabendo ainda a estados e municípios legislar sobre as suas peculiaridades. Também poderá ser estimulada a criação de polos tecnológicos e outros ambientes promotores da inovação, assim como o compartilhamento de estruturas, equipamentos e de recursos humanos especializados para a execução de projetos de desenvolvimento tecnológico e de inovação.