Informativo 05/04/2016

NOVAS EMPRESAS GRADUADAS NO INÍCIO DE 2016


Após um longo processo de aprendizagem, amadurecimento e evolução, outras três empresas do CELTA alcançaram o título de graduadas no primeiro trimestre de 2016. São elas:

OMTX 
Única empresa genuinamente brasileira a fabricar e comercializar supercomputação, a OMTX, no início das suas atividades, tinha como foco as appliances. Com o passar do tempo, o mercado deu a oportunidade de abrir o leque e a empresa começou a fabricar equipamentos para todos os tipos de clientes, oferecendo, inclusive, serviço de computação em nuvem. No período em que esteve incubada no CELTA, a OMTX evoluiu não apenas em faturamento, mas também em técnicas de produção e comercialização. Após a graduação, a empresa está sediada no Passeio Pedra Branca, no prédio Office Green, onde conta com uma estrutura moderna e inspiradora. “Na crise, nós vemos a oportunidade. Então a expectativa para 2016 é de aumento no faturamento, o que será impulsionado, em parte, pela nova marca da nossa linha de produtos”, ressalta Gregori Fonseca, diretor de tecnologia na OMTX. 
 
LETT 
Incubada no CELTA desde março de 2015, a Lett graduou-se no início desse ano, em janeiro, e agora está sediada em Belo Horizonte (MG), em uma outra incubadora (Cefet). Em 2016, a empresa foi investida pela NeoGrid, o que abriu muitas portas para o mercado, sobretudo na área de monitoramento de e-commerce. A perspectiva para esse ano é escalar o negócio no Brasil e preparar-se para atender mercados mais maduros, como Europa e os EUA. Considerada a única empresa no mercado que conta com dados completos de monitoramento de e-commerce, incluindo dados de sell-out, a Lett já está presente nos maiores varejistas do mercado. 

NANOVETORES
Após oito anos de incubação no CELTA, a Nanovetores graduou-se no dia 11 de março e acaba de mudar de endereço. No momento estão instalados no Sapiens Parque, no INOVALAB, em uma área mais adequada aos processos produtivos da empresa. O projeto da nova sede é assinado pela Porshe Consulting, que aplicou uma série de estudos de Lean Manufacturing para compor um layout funcional e um fluxo produtivo envolvendo os mais atuais conceitos de produção e gestão Lean.  Agora graduada, a Nanovetores está incrementando a capacidade produtiva e tem boas perspectivas de crescimento de faturamento. Apesar do contexto atual de crise no país, a empresa continuará a investir e criar oportunidades no mercado local e internacional, apresentando e divulgando seus produtos de maneira abrangente e incansável.
 

A GreyLogix, recebeu, em março, o prêmio Melhores Empresas para Trabalhar – SC. Neste ano, a iniciativa chegou a sua 4ª edição em solo catarinense, com a participação de 64 empresas, em um total de mais de 51 mil pessoas. A pesquisa é conduzida pelo instituto Great Place to Work, que aplica a mesma metodologia em 53 países, e tem como objetivo divulgar os bons exemplos e estimular outras empresas a melhorar seu ambiente de trabalho. A estreia da GreyLogix no ranking das Melhoras Empresas para Trabalhar, categoria Pequenas Empresas, pode ser atribuída a dois fatores principais: o apoio à capacitação e o estímulo à inovação. Neste contexto, é fundamental destacar a importância da UniLogix, universidade corporativa da empresa, que oferece aulas gratuitas ministradas na modalidade EAD (ensino a distância). Os cursos envolvem temas ligados às áreas de atuação da GreyLogix, como engenharia elétrica e automação industrial. "O feedback tem sido ótimo. Todos os funcionários já fizeram cursos da UniLogix e demonstram interesse em continuar se aprimorando", explica Renato Leal, CEO da GreyLogix. Para fomentar o empreendedorismo e a inovação entre os funcionários, a empresa criou o Programa Professor Pardal (PPP), que coleta sugestões e ideias e, ao final de cada ano, entregará um troféu e uma premiação ao autor da ideia mais inovadora.